• gabrielkonzen

    Clarice, o percentual de perdas que você citou (15,9%) engloba perdas comerciais também, não apenas técnicas. Ainda, considerando que parte da geração é injetada na rede, creio que não haja redução das perdas técnicas na rede da distribuidora, apenas na transmissão. Concorda?

  • Danilo

    Concordo, a energia solar gerada pelo próprio consumidor deve ser mais incentivada. Ela é mais barata por não haver custo de transmissão e também, que não foi citado, por não pagar o imposto que incide sobre a conta de luz. O leilão é um passo muito importante, mas o maior potencial está na geração pelo próprio consumidor. Um sistema foltovoltaico tem uma vida útil de 20 anos, se dividirmos o custo do sistema pela quantidade de energia que o sistema gera nesse tempo veremos que hoje já é mais barato gerarmos nossa própria energia. Falta divulgação e talvez linhas especiais de crédito para amortizar o alto custo do sistema.

    @gabrielkonzen a energia que não é consumida imediatamente é de fato direcionada para a rede, mas existe o Sistema de Compensação de Energia criado pela ANEEL, nesse sistema a companhia de distribuição é obrigada a contar a energia jogada na rede como crédito para abater nas pŕoximas contas, então mesmo que existam custos de transmissão eles não são cobrados do consumidor. E como a energia é gerada próximo ao consumo as perdas diminuem, pois a energia é direcionada para seus vizinhos, e não do nordeste para o sudeste do país como acontece com sistemas centralizados.

  • Getulio Hoffmann Oliveira

    O ICMS e a maior barreira e e contra a micro geração de energia elétrica no Brasil pois e 25% da energia produzida para gastar no mesmo local onde foi produzida mais a taxa de conceitos da concessionaria mais a taxa de iluminação publica um exemplo uma conta de luz de R$ 95.00 se paga R$ 44.00 sendo que toda energia foi gerada se não foce isso o Brasil tinha energia sobrando. Getulio Hoffmann Oliveira. o Primeiro Gaúcho a ter a própria energia elétrica.