• Diogo Martins Rosa

    Esperamos que o governo não atrase ainda mais o nosso desenvolvimento, mas espero muito mais que as empresas que irão oferecer serviços de montagem e fabricação dos painéis estejam preparados para a demanda, caso contrário veremos o mesmo cenário da eólica, vários projetos e obras atrasadas por causa das montadoras e construtoras responsáveis pelas obras.
    Deve haver sobretudo um incentivo muito maior do governo, sobre as faculdades para que tenhamos engenheiros e técnicos capacitados em oferecer serviços e estudos de qualidade para o mercado fotovoltaico, chega de importar conhecimento, já passou da hora de investirmos em nós mesmos.

  • PAULO CESAR BASTOS

    No momento em que se fala cada vez mais em fontes de energia limpa e renovável é fundamental aproveitar a oportunidade oferecida pela natureza ao Nordeste Brasileiro para produzir energia eólica, solar e biocombustíveis.Precisamos inovar e renovar pela terra, sol e ar.

    Com um potencial energético proporcionado por cerca de 300 dias por ano de forte incidência solar, vale reforçar uma estratégia para o uso racional desse imenso reator natural que é o Sol.Precisamos,também,aproveitar o momento e avançar no caminho a favor do vento.Assim como a energia solar a eólica é mais uma alternativa lógica.

    PAULO CESAR BASTOS é engenheiro

    • rogeriomaestri

      Paulo Cesar

      Sabes o custo da geração fotovoltaica?

      • PAULO CESAR BASTOS

        Uma análise econômica clássica não é lógica e adequada para estudar a viabilidade da geração de energia renovável no Nordeste, seja a eólica, solar e/ou biocombustíveis, comparada com as outras formas. A equação precisa ser formulada observando-se diversos fatores como a maximização do desenvolvimento local e a conseqüente minimização do êxodo rural, evitando as contemporâneas tragédias urbanas do desemprego, falta de moradia e violência.

        • rogeriomaestri

          E por que energia mais cara vai combater o êxodo rural?

          • Torpedo

            Ela é mais cara competindo com o mix da rede, que em tempos de reservatórios cheios fica muito barata. Voce sabe quanto custa a energia de Itaipu? Dependendo da região rural, se for muito afastada da conexão com a rede, o PV irá competir com Diesel e neste caso se torna a opção mais barata para se abastecer com eletricidade estas famílias. Uma vez abastecidas é provável que melhore a sua qualidade de vida, mas energia não é a única variável. Deve-se pensar também em apoio técnico, educação, saúde, lazer, e para todos estes a energia estará também contribuindo. É uma equação complexa. Ou não?

      • Torpedo

        Rogério, tentarei ser mais objetivo em minha resposta. O custo da geração fotovoltaica irá depender principalmente da disponibilidade da irradiação solar e do custo inicial. Com relação ao primeiro fator, você terá que analisar a sua região e as condições de instalação e chegar em um índice que definirá o desempenho de sua instalação. Será um índice do tipo kWh/kW.ano, que retornará a quantidade de energia gerada anualmente para cada kW instalado nestas condições (lembrando que a cada ano esse valor decresce em ~ 0,5%). Depois você terá que conhecer o custo inicial e de O&M. Basicamente: PV, suportes mecânicos, inversor, materiais elétricos e mão de obra. Pelas minhas pesquisas voce irá desembolsar aproximadamente 8.000 R$/kW (com a sua mão de obra). Estou tentando diminuir estes valores mas está difícil por causa da escala (1,5 kW). Daí é somente fazer as contas para um período de 30 anos, com a troca dos inversores a cada 10 anos (alguns dizem 15). Do ponto de vista do consumidor residencial (lembrando que você terá que incluir nos seus custos o medidor digital, que você paga e fica para a concessionária – quanto incentivo!), que paga algo como 400 R$/MWh, já é possivel fazer as contas para ver se compensa. Agora, para consumidores industriais e comerciais (~ 200 R$/MWh), sem chance, a menos que hajam outros ganhos (marketing, redução de carga) para entrarem na equação.

  • Kurt E. Paes

    é importante realçar que energia solar fv, se tiver o mesmo tratamento tributário q foi concedido à energia eólica, já é competitiva para auto-produção para consumidores industriais e comerciais, não só o consumidor residencial. A atitude das autoridades do setor é inexplicável no q diz respeito à energia fv.

    • christophe

      ola Kurt,
      gostaria de saber como voce chegou a conclusao que agora o FV ja e competitivo ao nivel industrial. que tarifas voce esta comparando? a competitividade para mim significa um payback de MAXIMO 10 anos, que ja e muito longo para o Brasil. diria que teria que ser menos de 8 anos para ter aceitaçao do mercado.

  • PAULO CESAR BASTOS

    Importantes os comentários. Acredito que sempre vale a pena um bom debate, a permuta de conhecimento e opiniões. Não se constrói nada sozinho. Precisamos aproveitar o momento e o bom tempo avançando com energia no caminho do Sol a favor do vento. Valeu.

    Urge, no entanto, modificar o panorama ainda do tempo colonial de industrialização predominante no litoral. O Brasil precisa de uma nova vereda do progresso para chegar na estação do sucesso, através de um modelo realista, positivo e viável de interiorização do desenvolvimento.

    Viver nas cidades do interior não significa viver apenas da roça, portanto, vale o fomento às outras atividades além das rurais. Cabe, assim, a implantação de sistemas produtivos diversificados . A energia renovável é, também, uma ferramenta de transformação, é uma forma de colocar a ciência, tecnologia e inovação para beneficiar diretamente o cidadão.

  • Derli Macagnan

    A ANEEL acaba de aprovar a geração alternativa de energia eletrica domestica com possibilidade de de entregar a rede da concessionaria, e sua compensação em desconto na conta de consumo.
    Espero que isso seja rapidamente divulgado e que estejam claras a forma de como será feita essa conexão e medição. Infelizmente essa importante decisão veio sem incentivo fiscal.
    É extremamente necessário que o governo atraia empresas de pesquisa e fabricação de placas fotovoltaicas para o Brasil, esta será a unica forma de expansão desse tipo de geração e sua redução de custo.

    • Torpedo

      Realmente. Mesmo antes da publicação já se sabia que não haveria nenhum incentivo, fato que eu considero acertado pois se formos incentivar algo deveríamos incentivar alguma tecnologia que se apresente mais vantajosa para nosso país, o que não é o caso da fotovoltaica neste momento histórico. Além de não incentivar, deve-se ficar atento pois o medidor digtal deverá ser pago pelo consumidor e, agora mais sutil, deve-se ter cuidado no dimensionamento pois caso se gere mais energia que o consumo ninguém será pago por isso, no máximo poderá transferir esse escedente para outra UC de mesmo CPF. Mais ainda com relação à este cuidado: deve-se dimensionar o sistema para gerar no máximo 30 kWh/mês menor que o consumo, pois se sua instalação fotovoltaica gerar a mesma quantidade em um dado mês o consumidor continua pagando o custo de disponibilidade da rede para a concessionária. Nem esse incentivo nos deram.

  • Maio

    Alguém sabe onde podemos encontrar de uma forma resumida o preço da tarifa residencial e também industrial? Obrigado

  • Leandro Substance

    Fiz um orçamento ano passado pra "converter" minha residência: R$ 40.000, 00 (fora frete e instalação – triângulo mineiro). Se alguém vai construir eu aconselho o investimento, se não por economia, por ideal e pra não pagar por algo que o Brasil tem tanto potencial para fornecer quase gratuitamente. Enquanto isso seguimos querendo Tchu e gritando gol.

    • Alexandre F Silva

      Ola Leandro…
      Eu moro em Uberlândia e hj tive o impeto de procurar por este assunto justamente por achar que é viavel haja vista a enorme abundândia de irradiação solar que temos aqui .
      Vc poderia compartilhar como vc chegou a estes custos e informar se vc foi adiante com sua ideia e se realmente compensa ?

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100002903733582 Alex David

    Se energia solar se paga em 5 anos (Nos EUA) porque as hidro-eletricas já passados 50 anos ainda não se pagaram.
    Além de suportar os preços abusivos da energia solar no Brasil, temos que aturar a robalheira nas hidroeletricas.
    Mas uma coisa é certa, a desgraça das hidroeletricas será sua propria ganância, pois permitira a competitividade da energia solar mais rapido que em outros paises….

    • torpedo

      A maioria já se pagou faz muito tempo. Por isso eu perguntei anteriormente se alguém sabe quanto custa a energia de Itaipu, que gera mais de 90 milhões de MWh/ano e tem apenas custo de O&M (minha aposta é 10 R$/MWh). E falando de roubalheira, tem ainda a transmissão e a distribuição, esta quase que totalmente privatizada e um monopólio natural. Além de uma agência reguladora inerte. Quando começou o processo de desastização (privataria) nos anos 90 já se sabia que as tarifas subiriam em 6 vezes, tudo isso para alimentar os tubarões. Nós entregamos nosso patrimônio, construído com o suor de nossos pais, tios e avós, tudo bem planejado e garantido com contratos. Agora já começar a falar de renovação automática das concessões.

  • Valcir Thimoteo

    No Brasil ,nada vem por acaso, se não alimentar nossos politicos corruptos.
    Terian que ao menos incentivar a geração da energia solar, para que o Brasil tenha crecimento
    evoluido para o futuro.

  • jose vendruscolo

    Estamos em dezembro a semana que vem entra em vigor a RN 482 e nao vi nenhuma divulgacao as concessionarias nem respondem queando voce pergunta sobre o assunto. estou tentando montar minha prosuçao propria fiz 3 orcamentos e todos ficaram em 13 mil parece tabelado para 200 KWH por mes.

    o problema esta no painel solar de mais de milreais por um de 140 k sendo que me infgormaram se au montar vai custar 300 o que viabilizaria o investimento para minha casa minha vida, mas nao sei ainda montar e nem onde conseguir comprar as celulas fotovoltaics e outros materiais de fonte segura