• Rodrigo De Filippo

    É curioso, não se fala no custo de implantação, na eficiência energética ou no custo de manutenção das alternativas. As "salvadoras do planeta" são tratadas com devoção religiosa. Há competitividade suficiente, que não dependa de subsídios de governos? Admito e concordo que as energias alternativas devam existir, porém não é possível abrir mão das fontes tradicionais, mais eficientes. Também não é possível que elas existam às custas de subsídios. Com subsídios, somente os "bispos" dessa religião ganham, mas os crentes que sonham com o milagre ambiental da recuperação do planeta apenas pagarão o dízimo mensal na conta de luz.